Uma Noite na Taverna

08 setembro 2013

Razão no amor




O amor é a razão de ser
Aprende a amar para dar razão a vida

Porque se algo em ti broxou
Foi em ti que broxou
Armadilhas do corpo
Tão infenso à efusão lírica

O beijo já não é o mesmo
O terceiro gole é desnecessário
Teus rituais, rotinas, crenças,namoros
Perderam a graça do ineditismo
Estás fatigado com tanto fastio
Não há mais surpresa com as flores
Teus olhos não notam a sutileza das cores
Tá tudo chato
Pois o homem
sem amor
fica seco
duro
Oco
Opaco

Sofrer na gangorra entre agonia e festejo
Servo do desejo, escravo de si mesmo
Quanto erro equilibrar-se entre esperança e medo
Viver não é esquivar-se de dores
Eis aí um segredo para ter mais amores

É mister que ames antes do suicídio

A medida em que avanças em idade
Põe a serviço do amor a tua racionalidade
Do amor razão única de ser
Fonte real de toda ciência

Assim como a semente
Realiza na árvore a potencialidade
Há em todos um pouco da estrela
Querendo brilhar

Ama com a tua inteligência
A burrice é broxante
E a burrice maior: não amar.