26 dezembro 2018

All gemas

Ao se despir
Diante da lupa das letras
Não demonstrou nenhuma transcendência

O relógio no pulso
Imagina,
               egoísta,
                           como algema

O relógio no pulso
Indica-lhe que parte do dia
Ele reparte

Maldiz a mais-valia
Maldiz a pequena porção do dia
Com os amigos
                    Com a família

Maldito sistema-relógio
Malditas engangrenagens
Vidas cada vez mais vazias

Quando iremos perceber?
Tempo não é dinheiro.
Como comprar alegria?

Um instante fora do sistema
Despir, despedir, expelir
obrigação, culpa e dilema

Maldito relógio-algema
A alma ainda é pequena
Para o poema-carta-de-alforria


16 dezembro 2018

Deux ex Machina


((Exu ex Machina))

        Laroiê

O poeta é cavalo
O poema é mula

       Emula
        a dor
   que deveras
       sente

  (A-O(b))(s(e-i-o)r)(va)(ve))
             as palavras
Te perguntam desinteressadas
      "Trouxeste a BINA?"

06 dezembro 2018

Exu ex Machina

Exu ex machina
polimorfismo contra a caretice
aguardo harmonia
não milagre
emito acordes dissonantes complexos compassos me ativam
por uma solução que não seja insossa
a vida é sopa
é só Pã
e Pá


Fair play fairy tale

A alquimia do mercado Transforma necessidade Em merdacoria Vende o que for preciso Diz o que você precisa Con- ...