Uma Noite na Taverna

02 outubro 2009

Uma Homenagem a uma Poeta

a porra da vida

ou esporro fudido de gozo na boca é outro e essa é a coisa




antes que a vaca tuça é necessário que você engula, essa porra desse medo que te incendeia. porra é bom, fogo também, mas volto a repetir que a porra do medo quando esporra na tua cara, na tua vida, na tua esquina, é ruim. e também não é legal e também não te ajuda e também não te protege. só te fode. fode garotão. mas fode gostoso. e não adianta reclamar que pra vida não há níveis seguros, gato. nem pra você, gata. e aí você olha na rua e vê uma porrada de coisas, mais uma porrada de pessoas, uma porrada de uma pessoa, muita porrada nas pessoas e vê que na verdade não tem verdade nenhuma que lhe caiba ou que lhe explique ou ainda que dê conta de tanta coisa absurda, porque é isso aí, é tudo absurdo pra caralho e nenhum esporro moderno conseguiu mudar isso ainda e aí é essa chuva de porra de um monte de gente querendo amar. e é tudo isso aí. e a singeleza das pessoas se arrumando pra sair pra passear, no domingo, com sua família, bate na tua cara como um soco dos infernos, a parada mais singela do universo, como é que pode isso, triste demais a solidão de cada um, porra. se comunica direito, porra, você aí. é, você, mesmo. você que também sou eu. veja você que, porra, caraca, a gente é frágil pracacete. e eu preciso me incluir nisso também. eu preciso me incluir várias coisas e excluir também. vamo excluindo tudo. tudo aquilo que não é você, veja você. também. um desfile de gente. passando, passando bem na minha frente, bem na minha cara. e eu ainda só consigo pensar que, porra, não importa as escolhas que o outro cara tenha feito ou o jeito que ele tem, teve ou terá, ou a cara que ele ostenta ou o luxo que ele deseja, todo mundo, digo como o todo de todo um mundo, todas as criaturas geneticamente semelhantes e possíveis que habitam a porra da face dessa terra querem é ser amados, porra! não tem certo, não tem errado, não tem lado. valendo sempre e somente aquilo exatamente que te acontece. que acontece com todo mundo, todo dia, toda hora, todos os segundos da porra desse tempo que eu e você temos o privilégio de simplesmente ter. grandecíssimos filhos de uma grande da puta. o puta orgasmo. a porra da vida.




deveria ser permitido gritar bem alto quando você atravessasse esquinas e sentisse dor. faz bem uns dez anos que não nos vemos. de lá pra cá estive com você muitas vezes. outra coisa que fiz foi usar as ferramentas que me deu, não necessariamente na ordem dos aniversários, mas usei todas elas a ponto de conseguir construir novas. totalmente originais. talvez você não reconheça algumas, mas elas são certamente suas e algumas já são até minhas também. teve um momento em que me mudei pro presente. não sei se te avisei, não deixei endereço. isso porque não teve jeito e, por mais que tentasse, não consegui me livrar do imutável metro cúbico que meu corpo ocupava. insistia muito em ocupar. não importa o que eu fizesse, não importa pra onde eu fosse, debaixo do meu pé sempre tinha chão. e isso significava que você existia. mesmo que outra pessoa não quisesse. mesmo que outra pessoa não gostasse.

era melhor então que se fizesse alguma coisa.

um homem gritou: quem são vocês? os loucos que enterraram o futuro, lhe fizeram um grande funeral, lhe deram uma grande banana, lhe disseram adeus?! e como ousam? uma mulher me esclareceu: ainda bem que ele era diferente porque diferente é tudo que não é você, mas às vezes, e é na grande maioria das vezes, diferente é você e é também. um monte de diferente fazendo indiferença. quem diria, disse eu. faz tempo que eu me pergunto essa pergunta, ela retrucou. qual a diferença que faz?

teve um dia, logo depois de existir, que eu passei a ser, mas era uma pessoa que eu não era e era assim por mais que eu fosse. fiquei extremamente confusa com essa situação. ser afinal serviria pra que. não, não se trata de servidão, disseram. esclareceram também que é pra vestir a vida e você poder ver.

e se eu pisar mais forte? nem assim o chão cede. e se toda a minha estupidez também for a sua? quem sabe assim nos tornamos grandes amigos. quem sabe assim o que me difere talvez faça alguma diferença que também te diferencie. porque sim, somos todos estúpidos. cada qual coberto das mais sinceras e elegantes explicações. adiando o momento exato, o único em que você pode caber.

ela nunca gostou muito de ocupar espaço. o que significa que nunca gostou de briga. por isso também tinha preferência por esportes individuais. se fosse pra competir com alguém que fosse consigo mesma.

a dor que dá no dente é simultaneamente uma dor que dá em gente. virou outra esquina e viu na calçada um homem dentro de uma caixa de papelão. homem caixa. um a um viu homens entrando em caixas. a de papelão era privilégio dos pobres. desconstruiu mentalmente a sua e seguiu imediatamente seu caminho. algo a fazia caminhar. da sola dos sapatos uma pressão que nascia embaixo. ao rés do chão. num universo reto, há sempre muitas linhas a traçar.






o que te ofereceram foi o poder e você quis

e você nega porque tem vergonha de dizer que adora poder

e procura ele que nem um viciado em cocaína

e você tem nojo de quem cheira cocaína

mas você já não consegue mais viver sem poder

e aí você cheira

a perfume caro

e gente come gente já faz muitos anos


*Todos os textos são da genial e inspiradora Adriana Nolasco (tem um link ali ó)
Site: http://atequaseperto.blogspot.com