Costa




Implodiram meus castelos
mar e vento
de repente

Desconstruíram-se no estalo
                                   ao fim de tarde
                                                    os elementos

Vejo caírem
                       da janela
                                      noite, fogo, estrela e alma

A noite caindo
                      a estrela apagando
                                       o cigarro na boca
                                                          um sorriso no chão

A mesma lua
                    o mesmo sol
                                     o mesmo movimento
                                                             descendente



As coisas se movem
e me arrastam consigo
Por vezes me repelem
mas ainda as sigo

Intercepto-me deserto :
sedimentos, sal e sede
Um grito rolando calado
salgado por sobre a face

As coisas se movem
desarmônicas, abstratas
por vezes me levam consigo
palpáveis, ainda inexatas

Sorvo o grito
e o espírito não se farta
destruo agora eu mesmo
meus castelos sem bandeiras

Prostro-me de joelhos
sobre os escombros de meus sonhos

                É tudo onda e pó
mar e chão
                       sonhos e sedimentos

                                 o estalo ao fim da tarde
demoliu os elementos

as coisas se moviam sobre as águas
                       com o vento e a maré
                                         com a lua e com o fogo

Desconstruindo-se levianamente

Postagens mais visitadas

...