Uma Noite na Taverna

02 julho 2014

Voto de silêncio



Poetar por aqui é proeza
Querem meu voto de silêncio
Em troca das bênçãos da realeza

Prefiro o tapa da realidade
O abraço sincero de amigos
Amor que beije com verdade

Boa dúvida que má certeza

Eu fiz meu voto de pobreza
Pois sei, não há maior riqueza
Que desfrutar da liberdade.

Poetar é pra quem preza
Pela liberta-ação da palavra
Blasfêmia-manifesto-reza

O poema vem e lavra
E despreza, como a larva,
A dureza e acidez do mundo


O poema te come por dentro