O Herói




Esperava que o verbo o assaltasse
Mas se encontrava distraído sempre
A ponto de cruzar precipícios sem cuidado

Foi então que a queda o deixou mudo
E ao chocar-se com o tapete de veludo
Percebera que o verso o esnobava

Travestido então de falsa poesia
Decidiu emendar versos alheios
E os mandou todos à gazeta noutro dia

Aplaudido de pé na academia
Fez questão de fundar a própria escola
Seguiram-no alguns poucos trovadores

Em seu discurso traçou mil teorias
Mas depois de esvaziar as fantasias
Mudou a face para o tom vermelho

E salpicou de merda todo o júri
Palavreava qual sirene louca
E ninguém entendeu o que dizia:

“Eu sou um louco que batera co’a cabeça
Nenhuma linha do que escrevo há que mereça
Ser considerada como obra de poesia”

E o júri, pensando no teatro que se armava,
Inteligentemente arrependido,
Mesmo cagado até o pescoço o aplaudia.

(poema constante em A Dieta da Felicidade)

Postagens mais visitadas